Diabetes pode comprometer a fertilidade

Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, estima-se que, atualmente, existam mais de 13 milhões de brasileiros com diabetes. Isso significa que cerca de 6,9% da população convive com esse mal e, infelizmente, os índices só aumentam. Na diabetes tipo 1, o corpo não produz insulina (hormônio que controla a quantidade de glicose no sangue). No tipo 2, normalmente associada à obesidade, o organismo apresenta resistência à insulina ou uma produção insuficiente da substância.

Diabetes na mulher

No organismo feminino, quanto menor for a ação da insulina, maior a produção de hormônios masculinos. Isso pode ocasionar alterações significativas nos ciclos menstruais e, em alguns casos, a mulher pode parar de ovular cronicamente. Além disso, se a diabetes não estiver controlada, pode aumentar as chances de hemorragias e abortos, causar malformação no feto e ocasionar partos prematuros.

No homem

A diabetes também afeta o sistema reprodutor masculino. Como ela desregula o sistema hormonal, pode alterar e reduzir os níveis de testosterona e, com isso, a fabricação e maturação das células reprodutoras sofrem interferências. Homens diabéticos também podem ter menor quantidade de espermatozoides no sêmen, espermatozoides com DNA fragmentado (que ocasionam alterações nos embriões e, consequentemente, geram um risco maior de aborto espontâneo), além de causar disfunções na ejaculação e impotência.

Na disfunção retrógrada, por exemplo, grande parte dos espermatozoides no sêmen são lançados para a bexiga em vez  de sair pela uretra. Assim, a fecundação fica muito mais difícil de acontecer.

Mas ter diabetes não significa que o sonho de engravidar seja impossível. Quando bem controlada e tratada, a doença não impede a gravidez. Por isso, é fundamental ter acompanhamento rotineiro com o endocrinologista e com o nutricionista. E, ao engravidar, o ginecologista que acompanhará o pré-natal deve manter contato com os médicos especialistas que já acompanham a paciente.

Sintomas mais comuns na fase inicial da doença

A diabetes é uma doença silenciosa e, em alguns casos, pode demorar até cinco anos para os sintomas começarem a aparecer com frequência. Como toda doença, quanto antes for diagnosticada e tratada, melhor. Por isso, é importante fazer um check-up anual.

• Cansaço sem explicação.
• Fome excessiva.
• Sede excessiva.
• Perda de peso – no caso de diabetes tipo 1.
• Ganho de peso – no caso de diabetes tipo 2.
• Vontade constante de urinar.
• Infecções constantes.

Veja também: A Influência da alimentação na fertilidade e Quando buscar ajuda para engravidar

Consultoria: Dr. Ricardo Luba, ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana. Graduado pela Faculdade de Medicina ABC, com residência médica no Hospital Leonor de Barros e Fellowship em reprodução humana pelo IVI SP.
www.ginecologialuba.com.br
@ginecologialuba
×