Reversão de vasectomia: nem sempre é possível

Por diversos motivos, muitos homens aderem à vasectomia para ficarem estéreis. O que eles não contam é que depois podem mudar de ideia – e precisar de uma reversão de vasectomia -, principalmente quando encontram a parceira ideal.

Acontece que mudar essa realidade não é para todos. Segundo o Dr. José Geraldo Aguiar Faria Junior, médico especialista em andrologia e reprodução humana da Genics Medicina Reprodutiva, normalmente a reversão é indicada para homens que fizeram a vasectomia há menos de 15 anos. “Não é um fator decisivo, mas quanto mais tempo demorar para realizar a reversão, menor será a chance de sucesso”, explica.

Com o tempo, pode ocorrer uma espécie de fibrose, criando obstruções abaixo de onde foi feito o rompimento do canal. Nessa situação, é preciso fazer uma conexão fora da área obstruída. “A reversão de vasectomia é, geralmente, uma cirurgia simples, não requer internação. Pode durar de duas a três horas e é considerada pouca invasiva, apesar de ser delicada”, comenta o médico.

Como acontece a cirurgia de vasectomia?

Para entender como funciona a reversão, é preciso saber primeiro o que é a vasectomia. A cirurgia consiste em um corte na bolsa testicular, que interrompe a passagem de espermatozoides pelos dois canais deferentes. O sêmen continua sendo expelido na relação, mas sem gametas. Esse procedimento pode ser revertido em alguns casos, através de uma cirurgia um pouco mais complexa, que envolve a religação desses canais.

Como se dá a reversão de vasectomia?

Ilustração do sistema reprodutor masculino mostrando a reversão de vasectomia.
Na reversão de vasectomia, as duas partes dos canais deferentes, anteriormente separadas, são reconectadas.

No procedimento da reversão de vasectomia, é preciso reconectar as duas partes dos canais deferentes anteriormente separadas. Para isso, é feita uma microcirurgia, na qual é preciso fazer uma pequena incisão no saco escrotal, de 3 a 5 centímetros. As pontas dos canais deferentes são localizadas e preparadas para o procedimento, que consiste na costura das duas partes. Em seguida, o saco escrotal é costurado novamente.

Segundo o Dr. José Geraldo Aguiar Faria Junior, o homem pode ser capaz de engravidar uma mulher logo depois de realizar o processo, até mesmo um mês depois, mas cada caso é um.

Veja também: O que é banco de sêmen e quem pode ser doador? e 4 Mitos mais comuns sobre infertilidade no homem

×