A primeira consulta ao especialista em infertilidade

Diversos comprimidos formando os símbolos da mulher e do homem. Primeira consulta com médico da infertilidadeno o s
Autor: Prof. Dr. Philip Wolff

Você sabia que, até completar 35 anos de idade, de 15 a 20% dos casais podem sofrer de infertilidade? É por isso que, após um ano de tentativas para engravidar, se a gestação não acontecer, o ideal é marcar a primeira consulta ao especialista em infertilidade – ou reprodução humana. E, no caso de mulheres com mais de 35 anos, o indicado é procurar um especialista após seis meses de tentativas.

Como é a primeira consulta ao especialista em infertilidade

O médico especializado em reprodução humana, na primeira consulta, fará várias perguntas para o casal. Por isso, é importante vocês irem juntos e responderem aos questionamentos que, normalmente, são:

  1. Quanto tempo vocês estão tentando engravidar naturalmente, ou seja, sem a utilização de métodos anticoncepcionais?
  2. Qual é a frequência de relações sexuais no mês?
  3. Vocês já têm filhos?
  4. Já sofreram algum aborto?
  5. Há histórico de cirurgias prévias?
  6. Há histórico de alguma DST (Doença Sexualmente Transmissível)?
  7. Sofrem ou sofreram de alguma doença?
  8. Vocês fumam ou fumaram?
  9. Há consumo de álcool e/ou outras drogas?
  10. Vocês usam algum tipo de medicamento?
  11. Existem outros casos de infertilidade ou menopausa precoce nas famílias do casal?
  12. Já fizeram algum tipo de tratamento de fertilização? Neste caso, se vocês já fizeram, é importante levar todos os exames e histórico realizados.

Exames clínicos pedidos na primeira consulta

Depois de conhecer um pouco mais do histórico do casal, o especialista em reprodução humana vai investigar o histórico ginecológico da mulher e urológico do homem. Para isso, irá solicitar exames específicos. Os mais comuns são:

Exames solicitados para o homem

Além dos exames, como hemograma completo, fezes e urina, será solicitado o espermograma, para avaliar a fertilidade masculina. Através desse exame, é possível analisar a quantidade, a mobilidade e a qualidade dos espermatozoides. No entanto, vale lembrar que este exame não é um atestado de esterilidade ou não.

As alterações espermáticas podem levar à diminuição nas chances de gravidez do casal, mas não necessariamente excluir a chance de gravidez. Além disso, se o resultado do espermograma indicar alteração, ele deve ser repetido após 2 meses. Neste caso, o médico provavelmente irá solicitar, também, exames hormonais, genéticos e de imagem.

Exames solicitados para a mulher

Infelizmente, não existe um exame único para a avaliação da capacidade reprodutiva da mulher. Por essa razão, a investigação é mais complexa e é necessário que o médico solicite exames que verifiquem não apenas a produção de óvulos, mas também a capacidade do útero e do organismo feminino como um todo, para saber se está sadio e preparado para a gravidez.

Por isso, além dos exames ginecológicos de rotina, como hemograma completo, Papanicolau, ultrassom pélvico e das mamas e colposcopia, o especialista em reprodução humana irá solicitar:

Médico e paciente na primeira consulta com médico de infertilidade.

  • Dosagem de FSH
  • Estradiol
  • Hormônio anti-mülleriano e outros hormônios sexuais
  • Dosagem de hormônios da tireoide e prolactina
  • Histerossalpingografia
  • Histeroscopia diagnóstica
  • Videolaparoscopia
  • Pesquisa de trombofilias e
  • Exames genéticos
    Consultoria: Philip Wolf, professor e doutor em Ciências Biomédicas e sócio-fundador da Genics Medicina Reprodutiva.
    Biotecnologia, Andrologia, Embriologia e Criopreservação
    Diretor e responsável legal da Genics Medicina Reprodutiva e Genômica e responsável técnico pelos laboratórios de Andrologia, Embriologia e Criopreservação da Genics. Especialista em Biotecnologia pelo Instituto Butantan, mestre em Bioquímica e Biologia Molecular – IQ-USP e Doutor em Ciências Biomédicas – ICB-USP. CRBio 18942/01
    Instagram: @phwolff
    Linkedin: philip-wolff

    Veja também: Os exames genéticos no tratamento da infertilidade e Aconselhamento genético: por que fazer antes de engravidar?